Fale com a gente

Como funciona
  1. Busque uma bolsa

    Compare preços e escolha a bolsa de estudos que seja sua cara.


  2. Garanta a bolsa

    Pague a adesão para garantir sua bolsa.


  3. Tamo junto na próxima fase.

    Agora é só fazer o processo seletivo e se matricular na faculdade.


História

Feudalismo: o que foi o sistema e como pode cair no Enem

2 de novembro de 2023
coroa sobre a bíblia representando como funcionava o poder no feudalismo
Imagem do autor
Escrito porBárbara Liz

O Feudalismo é um tema sempre estudado ao falarmos de história e da idade média. Foi foi um sistema socioeconômico e político predominante na Europa medieval, baseado nas relações servis.

Encontre bolsas de estudo de até 80%

Envolveu a posse de terras por nobres, o trabalho dos servos nessas terras e a proteção militar fornecida pelos senhores feudais. As relações eram estabelecidas por laços de vassalagem e fidelidade, centrando-se no castelo e na terra (o feudo).

Hoje vamos explicar mais sobre esse sistema, como era seu funcionamento, sua estrtura, a pirâmide social do feudo e as formas como essa matéria pode aparecer em vestibulares e provas, como o Enem. Prepare-se para testar seu aprendizado com os exercícios que separamos no final do texto.

Veja também:
+ Idade Média: Lista de Exercícios com Gabarito!
+ Crise do sistema Feudal: Exercícios com gabarito!


O que foi o Feudalismo?

esta imagem representa o sistema feudal, mostrando o poder do rei, do clero que o rodeia e aconselha, enquanto seus vassalos ficam ao fundo da imagem, servindo. Um castelo imponente se projeta ao fundo

O feudalismo foi um sistema socioeconômico, político e cultural predominante na Europa durante a Idade Média, entre os séculos V e XV.

Era Feudal

O feudalismo teve início após a queda do Império Romano do Ocidente, quando houve uma descentralização política e a Europa foi invadida por diversos povos bárbaros.

Esse sistema começou a declinar no final da Idade Média, com o renascimento comercial, o fortalecimento das cidades e o surgimento dos Estados nacionais.

Estrutura do feudalismo

A pirâmide social e hierárquica do feudo era:

  1. Rei: No topo da pirâmide, detinha o poder centralizado, mas sua influência direta era limitada.

  2. Clero: Desempenhava um papel central, sendo uma das classes dominantes junto com a nobreza. Controlava vastas extensões de terras e tinha poder espiritual, educacional e, muitas vezes, político.

    A Igreja Católica, em particular, influenciava fortemente a vida cotidiana, a cultura e a política. Enquanto o alto clero (bispos e abades) frequentemente se envolvia em questões políticas e econômicas, o baixo clero (padres e monges) focava mais no atendimento espiritual das comunidades locais.

  3. Nobreza (senhores feudais): Eram proprietários de grandes extensões de terras, os feudos. Eles recebiam essas terras em troca de lealdade e serviços militares ao rei.

    Entre eles também havia os cavaleiros: Eram guerreiros que juravam lealdade a um senhor feudal. Em troca, recebiam uma parte da terra, o benefício, para explorar e viver. Eles tinham a obrigação de prestar serviços militares.

  4. Vassalos e servos: Formavam a maior parte da população, a base da pirâmide social feudal. Trabalhavam nas terras dos senhores e, em troca, recebiam proteção e um pedaço de terra para cultivar. Eles não eram livres e estavam ligados à terra.

Funcionamento

O sistema era baseado na relação servil de trabalho e na concessão de terras. O senhor feudal concedia terras aos vassalos em troca de proteção e serviços militares.

Os servos, por sua vez, trabalhavam nas terras, pagando várias formas de tributos aos senhores, e em troca recebiam proteção contra invasões e direito de cultivar uma pequena parcela para subsistência.

Economia do feudo

A economia no feudalismo possuía as seguintes características:

  • Economia Agrária: A principal atividade econômica era a agricultura. Grandes extensões de terra, chamadas feudos, eram cultivadas principalmente por servos e camponeses.
  • Autossuficiência dos Feudos: Cada feudo produzia quase tudo o que necessitava, limitando o comércio e a interação econômica entre diferentes regiões.

  • Tributação Feudal: Os servos e camponeses eram obrigados a pagar diversos tributos ao senhor feudal, seja em forma de produtos agrícolas, trabalho ou dinheiro.

Alguns tipos de cobranças e tributos eram:

  1. Talha: Parte da produção do servo (geralmente a metade) que era entregue ao senhor feudal.

  2. Banalidades: Taxas que os servos tinham que pagar para usar os equipamentos e instalações do senhor, como moinhos, fornos e prensas.

  3. Corvéia: Trabalho gratuito que os servos eram obrigados a prestar nos domínios do senhor feudal, como nas obras de infraestrutura e na manutenção das propriedades.

  4. Capitação: Um tributo cobrado por pessoa, geralmente uma taxa fixa.

  5. Tostão de Pedro: Era uma taxa que os servos pagavam à Igreja, correspondente a um décimo (10%) de sua produção.

  6. Formariage: Tributo pago ao senhor feudal quando um servo queria se casar com alguém de outro feudo.

  7. Mortuária: Um tributo que tinha que ser pago à morte do chefe de família. O senhor feudal tinha o direito de se apropriar da melhor cabeça de gado ou outro bem de valor similar quando um servo morria.

  8. Heriot: Semelhante à mortuária, era um tributo pago ao senhor feudal pela herança dos bens de um servo falecido.

Estes são apenas alguns dos tributos cobrados durante o feudalismo. As taxas e obrigações podiam variar muito de uma região para outra e ao longo do tempo. Os servos muitas vezes viviam sob uma carga tributária pesada, o que contribuía para sua condição subalterna e dependente.


E como era a política feudal?

A política no feudalismo estava profundamente entrelaçada com a estrutura social e econômica da época. O sistema era baseado em relações de suserania e vassalagem, onde os senhores feudais (suseranos) concediam terras, ou feudos, aos vassalos em troca de serviços militares e outros deveres.

Este contrato era muitas vezes simbolizado por um ato chamado “homenagem”, onde o vassalo jurava lealdade ao seu suserano. O rei, muitas vezes, era apenas um senhor feudal entre muitos outros, e seu poder podia ser limitado em comparação com senhores feudais poderosos em suas respectivas regiões.

Além disso, a descentralização política era a norma, pois cada feudo operava quase como um pequeno reino independente, com o senhor feudal exercendo autoridade judicial, econômica e militar sobre suas terras e habitantes.

A Igreja Católica também desempenhava um papel político significativo, uma vez que possuía vastas terras e exercia influência tanto sobre os reis quanto sobre a população em geral. Portanto, a política feudal era caracterizada por relações pessoais, lealdades, descentralização e a influência omnipresente da Igreja.


Características do feudalismo

  • Sistema Hierárquico: Sociedade estruturada em camadas, com o rei no topo, seguido por nobres, cavaleiros, clérigos e, por fim, servos e camponeses.

  • Autossuficiência: As propriedades (senhorios) eram geralmente autossuficientes, produzindo a maioria dos bens necessários.

  • Relações de Suserania e Vassalagem: Nobres menores (vassalos) juravam lealdade a nobres mais poderosos (suseranos) em troca de proteção e terras.

  • Economia Agrária: A economia era baseada principalmente na agricultura e na exploração das terras pelos servos.

  • Trabalho Servil: Servos trabalhavam nas terras dos senhores feudais, muitas vezes sem a liberdade de se deslocar ou mudar de profissão.

  • Poder Descentralizado: Apesar da existência de monarcas, grande parte do poder real estava nas mãos dos senhores feudais locais.

  • Forte Influência da Igreja: A Igreja Católica desempenhou um papel dominante em termos culturais, educacionais e políticos.

  • Homens de Armas: Cavaleiros e guerreiros eram essenciais para a defesa dos territórios e para as disputas de poder.

  • Tributação Feudal: Diversos tributos e obrigações eram impostos aos servos, como a corvéia, a talha e as banalidades.

  • Isolamento e Estabilidade: As comunidades eram geralmente isoladas, com pouca mobilidade ou interação, resultando em uma relativa estabilidade social e cultural.


Relevância para o ENEM

O feudalismo é relevante em exames como o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) por várias razões:

  1. Contexto Histórico: A compreensão do feudalismo é fundamental para entender a evolução histórica da Europa e sua influência no mundo.

  2. Estrutura Social e Política: A estrutura do feudalismo e suas relações de poder refletem aspectos da sociedade que podem ser comparados a outros sistemas e épocas.

  3. Economia: O modo de produção feudal e suas características econômicas são contrastantes com outros sistemas, como o capitalismo.

  4. Transição Histórica: O fim do feudalismo e o surgimento da era moderna são tópicos de grande importância, com ênfase nas transformações culturais, econômicas e políticas.


Exercícios sobre o período feudal

Como vimos, o feudalismo marcou um período importante da história na Idade Média. É hora de conferir se você aprendeu o suficiente sobre o tema para poder arrasar nas provas e vestibulares, inclusive no Enem.

Aproveite, pois separamos questões que saíram diretamente do exame e de outras provas bem conceituadas. Confira o gabarito no final para ver como se saiu!

Questão 76 da prova azul do primeiro dia do Enem 2021

Desde o século XII que a cristandade ocidental era agitada pelo desafio lançado pela cultura profana – a dos romances de cavalaria, mas também a cultura folclórica dos camponeses e igualmente a dos citadinos, de caráter mais jurídicos – à cultura eclesiástica, cujo veículo era o latim. Francisco de Assis veio alterar a situação, propondo aos seus ouvintes uma mensagem acessível a todos e, simultaneamente, enobrecendo a língua vulgar através do seu uso na religião

VAUCHEZ, A. A espiritualidade da Idade Média Ocidental, séc. VIII-XIII.

Lisboa: Estampa, 1995.

O comportamento desse religioso demonstra uma preocupação com as características assumidas pela Igreja e com as desigualdades sociais compartilhada no seu tempo pelos(as)

a) senhores feudais.

b) movimentos heréticos.

c) integrantes das Cruzadas.

d) corporações de ofícios.

e) universidades medievais.


Questão 05 da prova azul do primeiro dia do Enem 2015

A casa de Deus, que acreditam una, está, portanto, dividida em três: uns oram, outros combatem, outros, enfim, trabalham. Essas três partes que coexistem não suportam ser separadas; os serviços prestados por uma são a condição das obras das outras duas; cada uma por sua vez encarrega-se de aliviar o conjunto… Assim a lei pode triunfar e o mundo gozar da paz.

ALDALBERON DE LAON, In: SPINOSA, F. Antologia de textos históricos medievais. Lisboa: Sá da Costa, 1981.

A ideologia apresentada por Aldalberon de Laon foi produzida durante a Idade Média. Um objetivo de tal ideologia e um processo que a ela se opôs estão indicados, respectivamente, em:

a) Justificar a dominação estamental / revoltas camponestas.

b) Subverter a hierarquia social / centralização monárquica.

c) Impedir a igualdade jurídica / revoluções burguesas.

d) Controlar a exploração econômica / unificação monetária.

e) Questionar a ordem divina / Reforma Católica.


(Fatec-SP)

Uma das características a ser reconhecida no feudalismo europeu é:

a) A sociedade feudal era semelhante ao sistema de castas.

b) Os ideais de honra e fidelidade vieram das instituições dos hunos.

c) Vilões e servos estavam presos a várias obrigações, entre elas, o pagamento anual de capitação, talha e banalidades.

d) A economia do feudo era dinâmica, estando voltada para o comércio dos feudos vizinhos.

e) As relações de produção eram escravocratas.

(PUC-MG)

Nos séculos XIV-XV, a sociedade feudal experimentou uma grave crise geral, que abalou profundamente as estruturas que sustentavam essa sociedade, abrindo espaços para a criação de relações capitalistas no interior das sociedades europeias.

Os efeitos da depressão dos séculos XIV-XV sobre a sociedade europeia foram os seguintes, EXCETO:

a) A expansão marítima dos séculos XV e XVI, rompendo os estreitos limites do comércio medieval.

b) A centralização do poder nas mãos do rei, em contrapartida ao poder pulverizado dos senhores feudais.

c) O surgimento de uma nova cultura mais urbana e laica, em oposição à rural-religiosa do feudalismo.

d) A busca de urna nova espiritualidade, possibilitando a ruptura da unidade cristã através da Reforma.

e) A ocupação do poder político pela burguesia, sustentada no crescente enriquecimento dessa classe.

(UFPA)

Nas relações de suserania e vassalagem dominantes durante o feudalismo europeu, é possível observar que:

a) A servidão representou, sobretudo na França e na Península Ibérica, um verdadeiro renascimento da escravidão conforme existia na Roma Imperial.

b) Os suseranos leigos, formados pela grande nobreza fundiária, distinguiam juridicamente os servos que trabalhavam nos campos dos que produziam nas cidades.

c) Mesmo dispondo de grandes propriedades territoriais, os suseranos eclesiásticos não mantinham a servidão nos seus domínios, mas sim o trabalho livre.

d) O sistema de impostos incidia de forma pesada sobre os servos. O imposto da mão morta, por exemplo, era pago pelos herdeiros de um servo que morria para que continuassem nas terras pertencentes ao suserano.

e) As principais instituições sociais que sustentavam as relações entre senhores e servos eram de origem muçulmana, oriundos da longa presença árabe na Europa Ocidental.

(Unesp)

Os mosteiros eram em primeiro lugar casas, cada uma abrigando sua “família”, e as mais perfeitas, com efeito, as mais bem ordenadas: de um lado, desde o século IX, os mais abundantes recursos convergiam para a instituição monástica, levando-a aos postos avançados do progresso cultural; do outro, tudo ali se encontrava organizado em função de um projeto de perfeição, nítido, bem estabelecido, rigorosamente medido.

(Georges Duby. “A vida privada nas casas aristocráticas da França feudal”. História da vida privada, vol. 2, 1992. Adaptado.)

A caracterização do mosteiro medieval como uma “casa”, um “posto avançado do progresso cultural” e um “projeto de perfeição” pode ser explicada pela disposição monástica de

a) Valorizar a vida privada, participar ativamente da vida política e combater o mal.

b) Recuperar a experiência histórica e pessoal do Salvador durante sua estada no mundo dos vivos.

c) Recolher-se a uma comunidade fechada para orar, estudar e combater a desordem do mundo.

d) Identificar-se com as condições de privação por que passavam as famílias pobres, celebrar a tradição escolástica e agir de forma ética.

e) Reconhecer a humanidade como solidária e unida num esforço de salvação da alma dos fiéis e dos infiéis.

(Enem 2014)

Sou uma pobre e velha mulher,

Muito ignorante, que nem sabe ler.

Mostraram-me na igreja da minha terra

Um Paraíso com harpas pintado

E o Inferno onde fervem almas danadas,

Um enche-me de júbilo, o outro me aterra.

VILLON. F. In: GOMBRICH, E. História da arte. Lisboa: LTC. 1999

Os versos do poeta francês François Villon fazem referência às imagens presentes nos templos católicos medievais. Nesse contexto, as imagens eram usadas com o objetivo de

a) Refinar o gosto dos cristãos.

b) Incorporar ideais heréticos.

c) Educar os fiéis através do olhar.

d) Divulgar a genialidade dos artistas católicos.

e) Valorizar esteticamente os templos religiosos.

Gabarito:
1) B
2) A
3) C
4) E
5) D
6) C
7) C

Onde posso fazer faculdade?

Além do ENEM e os programas do governo que utilizam a nota do exame, como o Prouni, Sisu e Fies, é possível entrar na faculdade por ingresso direto. Sabia dessa?

Por isso, separamos algumas instituições de ensino parceiras que contam com ótimas oportunidades para você se matricular o quanto antes e iniciar a faculdade. É possível até conseguir bolsas de descontos de até 80% no valor das mensalidades. Confira:

Confira também:
+ Idade Moderna: o que foi, características e revoluções
+ Transição do Feudalismo para o Capitalismo: Entenda!

Facul sem treta? É aqui mesmo!
Facul sem treta? É aqui mesmo!

Estude nas melhores sem sair de casa

As melhores faculdades com ofertas super especiais para você começar a estudar sem sair de casa.